Vaidade e Inveja: Desafios das Mulheres Empreendedoras

Hoje quero conversar com você sobre um tema delicado: os sentimentos de vaidade e inveja que, em algum momento, todas nós experimentamos no cenário dos negócios femininos. São emoções complexas, mas é importante olhar, conhecer e discutir com empatia e compreensão, porque não estamos livres de senti-las, e precisamos identificá-las para aprender como lidar com elas.

Muitas de vocês já devem ter se pego em algum momento em um ciclo de comparação constante. É normal olhar para outras empreendedoras e pensar: “Será que estou fazendo o suficiente?” ou “Por que ela conseguiu e eu não?”. No entanto, esse hábito pode minar nossa autoestima e nos afastar de oportunidades de aprendizado.

Às vezes, expressamos nossa inveja de forma disfarçada, elogiando enquanto minimizamos o sucesso alheio. Frases como “Isso é incrível, mas eu jamais faria o mesmo” ou “Ela deve ter tido muita sorte” podem prejudicar relacionamentos e impedir que compartilhemos nossas experiências honestamente.

Outro comportamento comum é diminuir as conquistas das outras, atribuindo seu sucesso a fatores externos, como conexões ou circunstâncias favoráveis (estava escrevendo o artigo e tentando me lembrar de quantas vezes fiz isso…), ações como essas nos impedem de reconhecer o mérito e o esforço de outras empreendedoras.

Quando não nos colocamos no lugar das outras, não conseguimos compreender suas lutas e vitórias. Ter empatia é essencial para construir relacionamentos sólidos e colaborativos e, consequentemente, a falta de empatia resulta num gasto imenso de energia para sempre ter que conquistar novas pessoas, uma vez que em algum momento elas irão perceber isso e se afastar de nós.

A recusa em ajudar outras empreendedoras é um sinal claro de que esses sentimentos negativos nos dominaram. A competição é saudável, mas quando isso nos impede de apoiar colegas em seus projetos, prejudicamos toda uma comunidade que poderia se fortalecer, partindo do nosso gesto (sim, podemos fazer a diferença com elogios, incentivos e reconhecimentos públicos, por exemplo).

Então mulheres corajosas, a mudança começa por dentro, com a auto aceitação. É lenta, mas quando aprendemos a reconhecer nossas próprias realizações e limitações, tornamo-nos menos suscetíveis à inveja e à vaidade. Precisamos nos lembrar sempre de que cada uma de nós tem sua própria jornada e sua própria definição de sucesso e, quando nos colocamos no lugar das outras, compreendemos que todas enfrentamos desafios e que o sucesso de uma não diminui o potencial de outra.

Superar sentimentos de inveja e vaidade requer vigília constante para saber identificar quando eles surgem, e ação imediata para evitar que nos dominem.

Até a próxima!

Artigos relacionados

O PAPEL DAS EMOÇÕES NA PROCRASTINAÇÃO

Procrastinação é um problema comum, especialmente entre empresárias e empreendedoras, frequentemente mascarada por desculpas como “falta de tempo” ou “agenda lotada”. Este texto explora como emoções como o medo do fracasso, ansiedade sobre o desempenho e desconforto com a incerteza influenciam o adiamento de tarefas. Também oferece estratégias práticas para reconhecer e gerenciar essas emoções, desde a prática da autoconsciência até o estabelecimento de um ambiente de trabalho propício. Superar a procrastinação começa com o entendimento e o controle das emoções subjacentes.

Comentários

  1. Super pertinente esse tópico Ely! Precisamos estar atentas e redirecionar nossa energia para a colaboração e o apoio. Como você disse, tem espaço suficiente para o sucesso de todas e cada uma vai trilhar um caminho diferente, superar desafios diferentes. Crescer juntas é o caminho!

    1. Hi Anna! We are still far from uniting, but if we have the chance to have publications, comments and accessible texts for women to read and reflect more on the topic of cooperation, I believe that we can, little by little, raise awareness among them so that they learn to be more united.